O tango no cinema

Pablo Fidanza

A relação entre tango e cinema tem uma longa história. Remonta ao primeiro filme sonoro argentino, passa pelo sucesso dos filmes de Gardel nos Estados Unidos e continua até nossos dias. Durante a Idade de Ouro, a ligação entre os dois gêneros é o resultado natural do poderoso fenômeno cultural que o tango se tornou. Vamos explorar alguns títulos que nenhum fã de cinema que adora tango deveria perder. Alerta, contém spoilers!

Para alguém interessado na dança do tango, mas não muito familiarizado com a história do gênero, questionar a relação entre o tango e o cinema pode chamar a atenção ou até parecer um assunto rebuscado. No entanto, é um vínculo que tem uma longa história e que resultou em grandes obras.

Entre as décadas de 1930 e 1950, Buenos Aires está repleta de bailes, cantores e orquestras que produziram um enorme número de gravações. A Argentina é um país economicamente próspero, mas também uma potência cultural que gera conteúdos musicais e audiovisuais para todo o mercado latino-americano. Nesse contexto, o tango se torna uma grande indústria do entretenimento que inclui música, teatro e, claro, cinema.

¡Tango!, filme completo

É significativo, portanto, que o primeiro filme sonoro argentino seja “Tango!” (Luis Moglia Barth 1933). É um musical que reúne muitas das principais figuras do tango da época: Tita Merello, Libertad Lamarque, Azucena Maizani, Mercedes Simone e Juan D’Arienzo. A eles juntam-se as orquestras de Osvaldo Fresedo, Pedro Maffia e Juan de Dios Filiberto.

A partir de então, muitos dos grandes artistas do tango também se tornaram estrelas de cinema. O principal é Carlos Gardel, que foi sucesso nos Estados Unidos, Europa e América Latina, pouco antes de sua morte precoce e trágica. Seu sucesso se deve em grande parte à colaboração com Alfredo Le Pera, que além de compositor das composições clássicas de Gardel, é o roteirista de seus filmes mais famosos.

Gardel fez quatro filmes na França, entre os quais se destaca “Melodía de arrabal” (Louis Gasnier, 1933), seu primeiro grande êxito. Graças ao sucesso alcançado, ele continua sua carreira nos Estados Unidos. Em Nova York, ele filmou “Cuesta down” (Louis Gasnier, 1934), “El tango en Broadway” (Louis Gasnier, 1934), “El día que me quiero” (John Reinhardt, 1935) e Tango Bar” (John Reinhardt, 1935), seu último filme. Além de estrelar esses longas, Gardel é associado aos estúdios da Paramount e se torna o produtor de seus filmes. Seu sucesso cinematográfico ajuda a construir o mito em que o cantor se tornaria depois de perder a vida e que prevalece até hoje.

A outra grande estrela do tango chegaria às telas alguns anos depois, em meados da década de 1940. A partir do sucesso alcançado como cantor na orquestra de Ricardo Tanturi graças ao seu estilo pessoal e carisma, Alberto Castillo consegue se consolidar no cinema. Ele alcança enorme sucesso e participa de grande quantidade de filmes.

Já em meados da década de 1950, o tango entra em declínio, coincidindo com a queda do peronismo e a entrada de novas músicas como o rock and roll, que agora é o ritmo escolhido pelos jovens. O tango fica associado à geração anterior, ou seja, às mais antigas e praticamente desaparece dos clubes de bairro onde se organizam bailes. Como consequência, também cessam importantes produções cinematográficas que envolvem o gênero.

No entanto, o declínio não é definitivo. Mais tarde, o cinema internacional ocasionalmente se interessava pelo tango, bem como alguns filmes de destaque, que merecem nossa atenção, foram rodados na Argentina.

Não foram apenas os cantores que tiveram lugar de destaque nas telonas. Alguns dos maiores dançarinos da história do tango também brilharam: El Cachafaz, Juan Carlos Copes, María Nieves, Carlos Rivarola, Pablo Verón, Gustavo Naveira, Fabián Salas, Geraldine Rojas e Mariano “Chicho” Frumboli, entre muitos outros. Até Gardel foi incentivado a dar alguns passos nos filmes “Cuesta down” e “Tango bar”! Em outras palavras, a dança não era reservada apenas para dançarinos profissionais. Assim como há dançarinos que atuam, alguns dos maiores atores do cinema também dançam tango nos filmes que protagonizam, embora em circunstâncias muito diferentes.

Gardel baila em Cuesta Abajo

Gardel baila em Tango Bar

O precursor foi Rodolfo Valentino, “latin lover” que se veste de gaúcho e dança tango em “Los cuatros jinetes del apocalipsis” (Rex Ingram, 1921). Também se funda uma longa tradição de filmes que mostram o “tango americano” (muito mais rígido, rude, melodramático e menos íntimo que o tango argentino), que será parodiado por Hollywood e pela televisão americana a partir de então. Para o cinema norte-americano, o tango é o que Valentino dançou, muito mais próximo da dança de salão, do que do tango dançado nas milongas.

Valentino baila em Los cuatro jinetes del apocalipsis

Posteriormente, ele foi seguido por figuras como Al Pacino em “Perfume de Mulher” (Martin Brest, 1992) e até parodiado por outros, como Marlon Brando em “O Último Tango en Paris” (Bernardo Bertolucci, 1972). Mais recentemente, chama a atenção o caso de Robert Duvall que, além de ser um grande ator, é dançarino amador e visitante frequente de Buenos Aires, e se dá ao prazer de dirigir seu próprio filme “O Tango e o Assassino” (Robert Duvall, 2003). A trama consiste em um pistoleiro que viaja a Buenos Aires para assassinar um general aposentado e acaba mergulhando no mundo do tango portenho. Embora a ideia do enredo seja interessante, o resultado do filme é medíocre.

Pacino baila em Perfume de mujer

Trailer Último tango en París

Trailer Assassination tango

Gostaria de me deter no filme de Bernardo Bertolucci estrelado por Marlon Brando e Maria Schneider. Além da confusão que seu título pode causar, “O Último Tango em Paris” não é um filme de tango, mas um filme erótico focado na relação de dois estranhos que têm um vínculo sexual. No final do filme, há um concurso de dança de salão em que se dança o tango. Nessa cena, Paul (personagem de Brando) diz a Jeanne (Schneider) que “o tango é um ritual”. E quando o júri anuncia que os casais vão dançar o último tango, Paul a leva para dançar. Ele faz um cavalinho para ele e os dois dançam bêbados entre os casais da competição, que exibem uma dança excessivamente rígida. Em vez disso, Paul e Jeanne caem no chão, ele a arrasta e eles dançam um “estilo livre”, sem se abraçar. A gota d’água é quando eles se beijam. A cena me parece interessante porque indiretamente diz muito sobre o tango. Se o tango é um ritual, eles o estão profanando, assim como o filme é a “profanação” de várias orientações sagradas daqueles anos. (Ainda hoje é um código implícito que ninguém pode beijar em uma milonga tradicional de Buenos Aires.) Paul e Jeanne são expulsos da pista de dança por uma senhora membro do júri escandalizada. Em seguida, Paul abaixa as calças e a tensão da cena aumenta ainda mais. É o último tango de Paris a que o título alude. Depois de um relacionamento apaixonado e às vezes tortuoso, quando Paul está disposto a se abrir com ela e se entregar ao amor além do mero desejo sexual, é tarde demais e Jeanne o abandona.

(Uma anedota interessante é que Piazzolla recusou a oferta de Bertolucci para fazer os arranjos da trilha sonora do filme, uma decisão que ele se arrependeu pelo resto da vida ao ver a qualidade e o sucesso do filme.)

Brando y Schneider bailan em El último tango en París

Trailer Le Bal

El Baile (Ettore Scola, 1983) merece uma menção especial. É uma verdadeira obra-prima em que também se dança o tango, entre outras danças de salão. O filme é indescritível. Segue uma ideia simples e bonita: conta cinquenta anos de história francesa através das danças que acontecem em um salão de baile. Não há diálogos entre os personagens, mas a comunicação é estritamente por meio da dança e da interação entre os dançarinos. O resultado é um filme lindo e hipnótico.

Uma característica própria da milonga, que chama a atenção de quem a vê pela primeira vez, é o cabeceo. A recriação mais bem realizada desse processo pertence ao filme de Scola. Vemos os homens na espreita de um lado da pista, no balcão do bar, enquanto as mulheres esperam em suas mesas ao lado da pista. Ambos mantêm jogos de olhares e gestos evasivos, se olham, mas não se olham. Atitudes de dúvida, coragem, frustração e amor-próprio acontecem… Sentimos a tensão entre os bailarinos que querem (ou não) ir para a pista. Com a desculpa de uma dor no pé, uma garota diz não a uma dançarina que não respeita as regras do campo. Cenas que qualquer milongueiro conhece, mas que, quando vistas na tela, causam grande impacto.

Em uma cena do filme, um tango, que mais parece uma marcha tocada pela orquestra com acordeão e caixa, é dançado. A orquestra se chama “Los Acapulco’s Boy”. O cenário consiste em um cacto e um chapéu mexicano de neon. Mais uma vez, acho interessante a explícita confusão entre o tango e o latino, quase como se fossem sinônimos. Ou seja, como se o “sangue quente latino-americano” correspondesse ao tango e, portanto, fosse latino e não argentino (ou portenho, para ser mais preciso).

Los Acapulco’s Boy em Le Bal

Tango Jalousie em Le Bal

Há também outra cena de tango, agora com ares de flamenco, em que se dança o famoso Tango Jalousie, do compositor dinamarquês Jacob Gade. Agora, o foco está nos micro gestos, nas diferentes formas de abraços e no comportamento dos dançarinos no chão. Mais uma vez, ninguém que dança tango vai deixar de se identificar com a cena.

Se, ao invés de de focarmos em dançarinos que atuam ou atores que dançam, e focarmos na participação de músicos nos filmes, a lista de filmes seria muito mais extensa. Por exemplo, Piazzolla compôs a trilha sonora de vários filmes e músicos como D’Arienzo, Troilo, Canaro, Pugliese e Salgán, entre muitos outros, também tiveram participações em filmes. Existem muitos filmes onde é o tango, e não a dança, que ocupa um lugar preponderante.

Também há filmes de ficção argentinos cujo tema é o tango, embora não seja exclusivamente sobre o tango. Talvez os filmes do diretor argentino Pino Solanas, dos anos 1980, sejam os mais relevantes: O Exílio de Gardel (Pino Solanas, 1985) e Sur (Pino Solanas, 1988), ambos com música de Astor Piazzolla. O mais recente deles é certamente “Fermín” (Hernán Findling e Oliver Kolker, (2013).

Trailer El exilio de Gardel

Trailer Sur

Trailer Fermín

Por último, uma enorme quantidade de documentários foi produzida sobre vários aspectos do tango. Esses aumentaram consideravelmente em número nos últimos anos. Isso se deve, por um lado, ao fato de o gênero documentário estar em voga ou, pelo menos, ser cada vez mais consumido. Por outro lado, é o resultado da transformação do tango em um fenômeno mundial que desperta cada vez mais interesse no exterior. Devemos também ter em mente que restam hoje os últimos representantes da Idade de Ouro do tango, e é urgente registrá-los e deixar um testemunho de seu legado enquanto ainda estão conosco.

Como são muitos, minha seleção de documentários é restrita. Deixo de lado filmes que valem a pena, como “Yo no sé que me han hecho tus ojos” (Lorena Muñoz e Sergio Wolf, 2003) e “Si sos brujo” (Caroline Neal, 2005). Entre os documentários recentes, destaco:

– “Café de los maestros” (Miguel Kohan, 2008) que reúne grandes ícones da música. Mariano Mores, Horacio Salgan, Leopoldo Federico, José Libertella e Atilio Stampone encabeçam uma longa lista de “professores” a que o título se refere. O documentário mostra a gravação do álbum homônimo e sua apresentação no prestigioso Teatro Colón, a casa de ópera de Buenos Aires. Na minha opinião, não é um grande filme na narrativa e o enredo é muito parecido com “Buena Vista Social Club” (Wim Wenders, 1999), mas sem a força do filme sobre os músicos cubanos. Paradoxalmente, a grande qualidade do filme também é sua maior fraqueza. O espectador se maravilha com o desfile de antigos ícones do tango exibindo sua arte e interagindo entre si. É um prazer ouvir suas histórias pessoais e dar uma espiada em suas vidas privadas, mas esse grande número de personagens não permite nos aprofundar em nenhum deles e faz com que os pequenos enredos do filme se dissolvam. No entanto, nenhum amante do tango deve deixar de ver “Café de los maestros”. A trilha sonora, produzida por Gustavo Santaolalla (vencedor do Oscar e criador do Bajofondo Tango Club, entre outros méritos) é magnífica, e ver esses últimos gênios do tango em ação na velhice vale a sessão.

– “El Último aplauso” (Germán Kral, 2008) conta a história dos cantores do Bar El Chino, famoso clube de tango do bairro de Pompeya. O filme toca o coração do espectador do começo ao fim. O diretor conta que uma professora da escola de cinema de Munique, onde ele estudou, a grande diretora Doris Dörrie, foi a Buenos Aires e visitou o Bar El Chino. De volta à Alemanha procurou Germán e, por ser argentino, disse que ele deveria fazer um documentário sobre o clube. Ele seguiu o conselho e durante quase 10 anos filmou a vida dos cantores do clube, logo após o falecimento de El Chino, dono e alma do lugar. O resultado é deslumbrante e emocionante. O filme explora a resistência do tango da periferia, no interior de Buenos Aires, e a vida dos cantores que mantiveram o gênero vivo em alguns clubes como El Chino. Esse filme representou o primeiro contato do diretor com o tango, que continua em outro filme a que nos referiremos mais para frente.

– “Piazzolla, los años tiburón” (Daniel Rosenfeld, 2018) é o documentário mais recente da minha seleção. É um filme requintado, que possui três méritos principais. O primeiro é que, em vez dos “papos cabeça”, que costumam nos aborrecer em quase todos os documentários, não há entrevistas, mas horas de áudios que Piazzolla deu a sua filha Diana para que escrevesse de sua biografia. O segundo mérito, talvez mais impressionante, é a coleção de filmes em 8mm da família Piazzolla, até então inéditos, que mostram facetas íntimas e desconhecidas do músico. Finalmente, o material de arquivo recuperado do músico também é revelador.

Yo no sé que me han hecho tus ojos

Trailer Si sos brujo

El último aplauso

Trailer Piazzolla, los años del tiburón

Para finalizar, vou me concentrar em três filmes dos últimos 25 anos que ultrapassam o gênero documental. Apesar de muito diferentes, eles giram em torno do tango e merecem uma análise detalhada. Em ordem cronológica: “La lección de Tango” (Sally Potter, 1997), “Tango” (Carlos Saura, 1998) e “Un tango más” (Germán Kral, 2015). Os três filmes podem ser encontrados com relativa facilidade.

La lección de tango

Escena Libertango em La lección de tango

– “La lección de Tango” é um filme pelo qual tenho uma predileção especial e que me marcou profundamente quando comecei a dançar tango no final dos anos 1990. Embora sua diretora possa ser autorreferencial e vaidosa, já que ela mesma é a co-estrela, o preconceito deve ser posto de lado, já que o filme merece um olhar mais atento. O filme é visualmente muito poderoso, graças a sua bela fotografia e suas cenas de dança deslumbrantes, nas quais Pablo Verón brilha. O enredo combina ficção com personagens reais. A história gira em torno da relação entre a dançarina argentina e a diretora britânica Sally Potter, que começa como de professora e aluna, mas acaba levando-as para outro lugar. É difícil escolher uma cena, mas se destaca a coreografia de Libertango, em que a diretora dança ao mesmo tempo com Pablo Verón, Gustavo Naveira e Fabián Salas.

Graças ao sucesso desse filme, o interesse pelo tango foi reanimado no mundo. Após o sucesso internacional do musical “Tango Argentino” nos anos 1980, esse filme representou um novo impulso no final dos anos 1990 e despertou o interesse pelo tango no estrangeiro.

Tango, filme completo

– Em “Tango”, Saura repete, de forma geral, a fórmula de seu famoso filme “Carmen”, só que troca o flamenco pelo tango. Embora seu script seja pobre, é visualmente poderoso, assim como “The Tango Lesson”. O filme concorreu ao Oscar na categoria “melhor filme estrangeiro” e perdeu para “La Vida es Bella” (Roberto Benigni, 1997).

O espectador não deve esperar ser tocado por uma grande história. O enredo é bastante linear: gira em torno do processo criativo de montar um show de tango. Seu diretor, interpretado por Miguel Ángel Solá, cria a obra entrelaçando coreografias com sua própria biografia, e mantendo uma história de amor com uma bailarina muito mais jovem que ele, interpretada por Mía Maestro.

A principal experiência gerada pelo filme consiste no prazer visual. Seu diretor de fotografia é o genial Vittorio Storaro, (vencedor do Oscar por “Apocalypse Now”, entre outros) e as coreografias são de Juan Carlos Copes, Carlos Rivarola e Ana María Stekelman, que realiza um interessante cruzamento entre a dança contemporânea e o tango. Desfrutar da conjunção entre grandes dançarinos, a música original composta por Lalo Shifrin (famoso pela banda sonora de “Missão Impossível”), a coreografia bem sucedida e a cinematografia de Storaro valem o filme. Se você também é amante do tango, é quase uma obrigação.

Saura joga com o limite entre a realidade e a ficção. O enredo oscila entre dois níveis narrativos: a realização de um show de tango, que por sua vez é a rodagem de um filme.

Dentre as cenas de dança, destacam-se: a coreografia de um tango dançado entre homens, interpretado por Carlos Rivarola e Julio Bocca, e a cena final. Nela vemos famílias de imigrantes aparecerem ao fundo de um horizonte com um nascer do sol (que pode ser da Argentina ou do tango em si). Toca “Va pensiero”, o famoso coro da ópera Nabucco de Verdi, que é a música que os imigrantes da Europa trouxeram para Buenos Aires. Em seguida, o coro se torna a valsa Corazón de Oro de Francisco Canaro, que os estrangeiros dançam em sua nova pátria. Em seguida, tocam uma milonga e, por fim, Juan Carlos Copes brilha dançando “La cumparsita”.

Un tango más, filme completo

– Por mais que tenha muito de documental, “Un tango más” transcende o gênero para entrar na narrativa através da dança. Conta a história vertiginosa do casal de tango mais importante da história, Juan Carlos Copes e María Nieves. Esta é a segunda incursão de Germán Kral no tango. Foi produzido pelo famoso cineasta alemão Wim Wenders, que havia lançado “Pina” alguns anos antes (um documentário sobre a coreógrafa de dança contemporânea Pina Bausch, que em grande parte serviu de inspiração para Un Tango Más). É mais que um documentário, já que a dança é utilizada para narrar diferentes passagens da vida de seus protagonistas, através das excelentes coreografias de Leonardo Cuello, Melina Brufman, Brenda Angiel e Rubén e Sabrina Veliz. Tive o orgulho de participar com o diretor de todo o processo de criação do filme e de ser o seu produtor artístico, responsável por tudo o que se refere à dança no filme, como selecionar os coreógrafos e dançarinos. Acho que o filme é relevante para a história do tango porque conta a história de seu casal mais emblemático, ao mesmo tempo que deixa um testemunho da dança no auge estético de nosso tempo. Acho que será um filme de referência (e espero que seja cult) para qualquer amante de tango de agora em diante.

Como se pode ver, a seleção de filmes neste artigo está relacionada com meu gosto pessoal e, portanto, é um tanto arbitrária. Para concluir, com base na minha experiência na produção e filmagem de “Un tango más” e depois de tentar finalizar a pós-produção do meu próprio documentário, que demorou vários anos a rodar, posso assegurar que rodar filmes de tango é muito difícil. A atração de financiamento e de produtores interessados, bem como a fusão dos mundos do cinema e do tango, são desafios que poucos conseguem concretizar. Alcançar essa alquimia é excepcional e a evidência disso é o intervalo com que os filmes de tango relevantes surgem ao longo dos anos. Portanto, se você é amante do gênero, não perca a oportunidade de aproveitar os filmes disponíveis. Este artigo é um pequeno guia para não perder essa experiência.

Pablo

Pablo Fidanza é bailarino e professor de tango de Buenos Aires, nascido em 1982. Começou a dançar em 1998, formando-se com os melhores professores do gênero. Desde 2016, Bruja Milonga organiza aos sábados no Club Villa Malcolm. Ele está no exterior regularmente há mais de 10 anos, visitando a Europa, América do Norte e Ásia. É produtor artístico de “Un tango más” (Germán Kral, 2015) e diretor de “Siga el baile”, um próximo filme. Além de dançarino, é formado em Filosofia pela Universidade de Buenos Aires.

Site: www.pabloyconstanza.com | Facebook: Pablo Fidanza | Instagram: pablofidanza

Email: pablofidanza@hotmail.com

Tel: (+54 9) 11 6141 6207